ELAS ESTÃO MORTAS. O QUE ESPERAR AGORA?

Texto de Jacqueline Sinhoretto publicado no site http://ultimainstancia.uol.com.br

As investigações apontam que o principal suspeito da morte da ex-modelo Eliza Samudio, em julho, é Marcos Aparecido dos Santos, o “Bola”, ex-policial paulista. Essa morte teria um mandante, o goleiro do Flamengo Bruno Fernandes das Dores Souza. O motivo seria um processo judicial de reconhecimento de paternidade movido por Eliza contra Bruno. Eliza estava com medo, tinha todos os motivos para achar que corria perigo. Procurou a Delegacia da Mulher e o Poder Judiciário.

Se confirmadas as suspeitas, esse tipo de morte tem um nome: femicídio, isto é, a morte de mulheres que morrem por serem mulheres, e por lutarem por direitos civis fundamentais, como a liberdade de pôr fim a um relacionamento ou de ter a paternidade de um filho reconhecida. Todas nós lutamos pelos direitos que Mércia e Eliza não puderam ver assegurados. Elas não terão sobrevivido à luta para assegurar coisas tão simples…

Não se poderá culpar a fraqueza das leis, pois a Lei Maria da Penha está aí, com toda a sua complexidade e o seu conceito de atenção integral. Dever-se-á responsabilizar a ausência de condições da polícia em realizar os procedimentos previstos na Lei para a proteção da vida e da integridade física de mulheres que têm medo e motivos para acharem que estão em perigo. O mínimo a esperar será que a polícia justifique aos cidadãos porque falhou tanto e tão gravemente.

Haverá ainda o Ministério Público que, pela Lei, deve fiscalizar as atividades da polícia. Nesse caso, se a polícia tiver falhado, a instância que deveria ter constatado as falhas e cobrado sua correção é o Ministério Público. O mínimo a esperar será que justifique aos cidadãos porque se omitiu tanto e tão gravemente.

E haverá ainda o Poder Judiciário. Enquanto Eliza estava viva, a juíza que analisava o processo judicial entendeu que não cabia a aplicação da Lei Maria da Penha. Sua morte terá sido tragicamente didática para esclarecer a natureza da relação jurídica existente entre ela e o homem que acredita deter poder de vida e morte sobre as mulheres com quem se relaciona. O mínimo a esperar é que o Poder Judiciário assuma suas responsabilidades em relação à manutenção da vida dos cidadãos, que não se recolha à cômoda posição de individualizar os culpados apenas nas relações privadas.

Se confirmadas as suspeitas, nos dois casos, não terão faltado policiais dispostos à ação. Um terá afogado Mércia. O outro terá esquartejado Eliza. É evidente que há milhares de policiais honestos, dedicados, dispostos a sacrificar suas vidas pelo cumprimento das leis. E o que farão esses milhares para assegurar que o seu ofício não prossiga sendo manchado com o sangue de mulheres que pediam tão pouco?

Não se tratará apenas de assegurar a rigorosa punição dos culpados. Seria absolutamente inaceitável que não o fizessem. Deveríamos esperar bem mais, como a indignação dos milhares de bons policiais e a sua enérgica reação para impedir que mais colegas seus saiam das corporações com a certeza de que estão totalmente acima das leis, tranquilos para afogar, asfixiar e esquartejar mulheres amedrontadas, porque eles continuam tendo bons contatos dentro da polícia.

Se forem verdadeiras as histórias que temos ouvido, mais do que investigar e elucidar dois casos de femicídio, devemos esperar que a polícia pare para pensar muito a sério nas responsabilidades que terá tido na produção de assassinos que se acharam acima de qualquer limite. A brutalidade dessas mortes precisa ao menos servir para que uma polícia cada vez mais profissionalizada demarque firmemente a diferença que existe entre o seu ofício de defesa incondicional das leis e a nefasta confusão entre policiais e matadores, que muita gente incentivou durante muito tempo.

Devemos esperar ainda que Ministério Público e Poder Judiciário também assumam suas responsabilidades na transformação de um sistema de Justiça exclusivamente punitivo (aquele que só corre atrás do prejuízo) em um sistema de Justiça capaz de garantir, assegurar e promover a vida digna aos cidadãos que buscam sua intervenção.

Serão nossas únicas esperanças. Para que agosto não traga mais notícias ruins.

Anúncios

Sobre Claudinha Grycak

Brasileira, divorciada, natural de São Paulo, 40 anos. Sou portadora de Alopecia há 21 anos, criei esse blog para aproximar as pessoas que sofrem desse problema. "Aceitação não é comodismo ou fuga, o ato da aceitação equivale a envolver com amor profundo os fatos que não podemos alterar e encará-los como circunstâncias a serem vivenciadas e vencidas para o fortalecimento do nosso ser."
Esse post foi publicado em Artigos, Diversos, Reflexão e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para ELAS ESTÃO MORTAS. O QUE ESPERAR AGORA?

  1. cleusa santos disse:

    Quero pedir aos pais,igrejas ,comunidades,governo (principalmente que já passou d hora de educarmos nossas crianças,passarmos os verddeiros valores,pois as crianças de hoje serão as Elizas e Brunos de amanhã.
    Que homens e mulheres tenham liberdade de expressão,opção sexual,livre arbitreo,tudo bem,mas Eliza foi abandonada pelos pais,(ou seja; parece que foi criada p/ madrasta,q se omitiu em relação ao crime do marido, a mãe que permitiu que a filha fosse criada p/ este pai,sem falar na criação do Bruno,quero dizer que antes de tomarmos uma decisão em nossas vidas,temos que olhar nos olhos das pessoas que colocamos no mundo,pesar bem se vai valer a pena pensarmos em nos mesmas (0s).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s